Receba os cuidados que você necessita das mãos de profissionais especialistas em suas áreas.
Sáb: 8:00 - 14:00
(11) 99233-0352
Próximo a estação de metrô Jd. São Paulo

Blog :

DIGERINDO AS EMOÇÕES

Buscando o significado da palavra digerir, entendi que é igual a transformar. Então vamos lá! O que significa digerir as emoções?  

Antes de prosseguir vou abrir um parêntese, será que essa transformação, essa ação é a causa para a resistência das pessoas para buscarem a psicoterapia? É apenas uma observação! 

Vale lembrar que as emoções transitam entre sendo boas e ruins. Nesse caso, seria possível deixar de sentir aquela que de alguma forma traria sentimento e sensação desagradável? Como disse certa vez um professor na Faculdade, “as emoções transbordam pelos poros”. Então voltando a pergunta inicial, digerir as emoções implica em tomada de consciência e de transformação.  

Observo que existe uma grande tendência na busca em anestesiar nosso sentir e o problema é que nem sempre é possível, escolher quais emoções anestesiar e quais continuaremos sentindo ou experimentando. Pensando dessa forma, na insistência desse comportamento, anestesiaríamos também as emoções boas e prazerosas. Gosto sempre de lembrar em meus atendimentos que, muitas vezes na tentativa de manter a integridade de nosso ego, ou seja, nossa estrutura emocional, buscamos saídas desesperadas e com isso, causamos infelicidades, insatisfações e sofrimentos a nós mesmos. E é interessante pensar que no fundo estamos tentando nos proteger de nós mesmos, não é verdade?   

O autoconhecimento ainda é uma ferramenta ou uma conquista, um estado, um processo, seja qual for o nome que podemos dar a ele. Que nos oferece um lugar de existência e fala, onde buscamos em nossa multiplicidade ser quem precisamos ser diante do sentir, da situação ou do fenômeno. Assim sendo, nos provocando a autenticidade, lugar esse de segurança e pertencimento, que nos permite viver, significar e ressignificar o mundo a nossa volta e dentro de nós.  

Digerir as emoções, que seja a primeira etapa para essa autenticidade, o que você acha?

Autora: Luciana Furtado – Psicóloga 

               CRP 06/74499